Sobre o Yoga: Origem e Tipos – Inês Airez

por:

A palavra “Yoga” significa “unidade” ou “unicidade” e deriva da raiz sânscrita yuj, que significa “união”.

Esta unidade ou união pode ser descrita, em termos espirituais, como a união da consciência individual com a consciência universal.

De um ponto de vista mais prático, o Yoga constitui um meio para harmonizar e equilibrar o corpo, a mente e as emoções.

Para Patañjali, “o Yoga é a contenção dos turbilhões da mente” (Yogah cittah-wriitti-nirodhah).

O Yoga é, provavelmente, o sistema filosófico indiano (darçana) mais difundido mundialmente.

Também definido como uma “(…) superior tecnologia psicossomática” e como um método de auto-regulação consciente que conduz a uma integração harmoniosa dos aspectos físicos, mentais e espirituais da personalidade humana.

O Yoga é, provavelmente, o sistema filosófico indiano (darçana) mais difundido mundialmente. A palavra darçana, com origem no verbo “ver‟, expressa uma forma de observar as coisas, um ponto de vista.

O Yoga que hoje conhecemos desenvolveu-se enquanto parte da Civilização Tântrica, que habitava há mais de 5000 anos atrás, no Vale Hindu (Antiga Índia, actual Paquistão) e em muitas outras partes do mundo.

Artigo relacionado: História do Yoga e o Yoga Moderno

Atribui-se este período histórico aos primórdios do Yoga, pois foram encontradas neste local (Vale Hindu) cerâmicas representativas de posições meditativas e posturais de Yoga, com cerca de 5000 anos.

A palavra Tantra resulta da combinação de tanoti e trayati, que significam respectivamente, “expansão” e “libertação”, como tal, Tantra é a ciência de expansão da consciência e libertação da energia.

Os primeiros textos referentes ao Yoga foram os Tantras e mais tarde os Vedas. Os últimos são considerados uma das obras mais antigas da Índia, datados de cerca de 1500 a.C.

Nos Vedas, é explicada a filosofia que veio dar origem ao actual Hinduísmo, da qual o Yoga faz parte. A Cultura Védica atribuía muita importância a um ritualismo extremo, praticando vários rituais de sacrifico.

Contra este facto e contra o poder crescente dos brahmanes, insurgiu-se uma corrente de pensamento especulativa e filosófica baseada nas escrituras dos Upanishads.

Estas escrituras, apesar de baseadas nos ensinamentos e experiências védicas, foram inovadoras na medida em que, introduziram novas ideias, teorias e conceitos até então pouco explorados, que hoje em dia integram quase todas as religiões originárias da Índia.

A este período dá-se o nome de Upanishádico ou Vedanta (i.e. fim do Veda). Desde o Período Vedanta até ao início da Período Clássico, marcado pelo Tratado de Patañjali, o Yoga sofreu um grande desenvolvimento, enquanto prática técnica. Até aqui havia sido desenvolvido do ponto de vista teórico e filosófico.

 Patañjali escreveu, por volta de séc. IV a.C., o Yoga-Sutra, dando assim origem ao Yoga Clássico

Com base nesta e outra literatura, Patañjali escreveu, por volta de séc. IV a.C., o Yoga-Sutra (Aforismos do Yoga), dando assim origem ao Yoga Clássico.

Esta obra sistematiza o sistema filosófico do Yoga, resumindo o Ashtanga Yoga, que mais tarde veio a ser rebaptizado como Raja Yoga e estabelece um código regulador da prática do Yoga, baseado em preceitos éticos e na delimitação dos conceitos teóricos envolvidos. (Barbosa, C. E., 1998).

Foi esta corrente que, no Período seguinte (Período Pós-Clássico), deu origem ao Hatha Yoga.

Artigo relacionado: Yoga: Uma Prática Antiga e Moderna

Esta ciência é muito vasta e encontra-se dividida em vários ramos, que constituem diversas formas para atingir a união com o divino, ou seja, com a grandeza do potencial humano.

A ideia desta divisão é a acomodação da prática aos diversos tipos de personalidades, de corpos e de gostos subjectivos

No fundo, cada indivíduo escolherá praticar o ramo de Yoga com o qual mais se identifica.

Existem então vários tipos de Yoga, sendo os principais o Hatha Yoga, o Raja Yoga, o Jnana Yoga, o Bhakti Yoga, o Karma Yoga, o Mantra Yoga, o Laya Yoga e o Yoga Tântrico.

Diferem entre si em diversos aspectos, podendo ir desde o estudo das escrituras e desenvolvimento de disciplinas mentais, da prática centrada no corpo, ou até mesmo da prática de acções altruístas, ajudando o próximo.

Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário e descubra mais artigos de Inêz Aires

Escreva uma resposta ou comentário

O seu e-mail não será publicado.