Sobre a prática de Pranayama

por:

Quando iniciarem a prática de pranayama em casa façam-no deitados em savasana com a coluna vertebral suportada por um cobertor (na vertical) e outro a suportar a cabeça.

As técnicas de pranayama sentadas são indicadas para os alunos que praticam esta técnica regularmente.

Esta técnica pressupõe em primeiro lugar a consciência, distribuição e controlo da respiração.

Artigo relacionado: Um Olhar Sobre o Pranayama nas Escrituras e na Vida

Comecem com:
Ujjayi I (5 minutos) – simples observação da respiração – Observem a respiração e através do tato e som da respiração comecem por medir, sentir e comparar a inspiração e a expiração, particularmente em termos de velocidade, volume e textura (densidade e ritmo).

Observem também a diferença entre a inspiração e a expiração e depois comecem por, gradualmente, harmonizar e equilibrar a velocidade, o volume e a textura da respiração,equilibrando a inspiração e a expiração.

No fim observem a respiração normal e os efeitos no corpo e na mente.

Viloma I (5 minutos) – inspirações fraccionadas seguido de uma expiração normal – Antes de iniciarem este pranayama façam uma inspiração normal seguida de uma expiração profunda.

Este pranayama consiste em 3 inspirações fraccionadas com 2 segundos de paragem (se tiverem um pouco de ar no fim façam uma quarta inspiração mas sem retenção).

A expiração é normal e suave. Entre ciclos podem inspirar e expirar normalmente e continuar.

Nunca esquecer:
A respiração deve ser suave,não deve ser forçada ao ponto de contraírem a garganta, os ombros ou o abdominal. A coluna vertebral deve permanecer relaxada sobre o cobertor.
Se o pranayama causar irritação ou tensão é porque estão a forçar demasiado a respiração.

O pranayama requerer repetição e treino diário. É um desafio que vem depois da consciência adquirida no ásana!

Depois do pranayama devem sempre deitar-se em Savasana mais 5 minutos.

Relembro-vos que só através de uma prática regular é possível sentirmos os efeitos da prática no corpo,mente e respiração. Pratiquem com consciência e com prazer. Sem nunca deixar que a precisão se sobreponha às sensações que a prática nos traz.

Gosta deste artigo? Mais artigos de Rita Pereira

Escreva uma resposta ou comentário

O seu e-mail não será publicado.